Publicado em 23/06/21 às 12h12

Três grandes sociedades científicas confirmam a ligação entre o SARS CoV-2 e a sepse, que causa a grande maioria de mortes por COVID-19.

Sepse é a resposta do sistema imunológico a infecções graves, bacterianas, fúngicas ou virais, levando a danos e falência de órgãos e morte.

A adoção pelos sistemas de saúde de medidas de prevenção e tratamento da sepse, preconizada pela Assembleia Mundial da Saúde em 20171, é de extrema urgência, conforme enfatizado em um documento de consenso publicado em Medicina Intensiva2 pela Global Sepsis Alliance (GSA), a Sociedade Europeia de Medicina Intensiva (ESICM) e a Sociedade de Medicina Intensiva (SCCM). Essas organizações enfatizam a importância de reconhecer que os pacientes gravemente enfermos com COVID-19 têm sepse viral, apesar de algumas diferenças da sepse causada por outros patógenos. Pacientes com COVID-19 grave sofrem de disfunção de múltiplos órgãos, incluindo a síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA), choque vasodilatador, lesão renal aguda, coagulopatia e comprometimento da função cerebral, cardíaca e gastrointestinal; estes representam as manifestações clínicas comuns que caracterizam a sepse. No ano passado, uma revisão sistemática liderada por uma equipe de pesquisa em Atenas, Grécia, confirmou que a COVID-19 causa morte e incapacidade devido à sepse3: 85% dos adultos gravemente afetados por COVID-19 desenvolvem sepse, 40% de todo o espectro de casos presentes com sepse. “A Sepse deve se tornar um termo abrangente amplamente usado para uma condição que é causada por diferentes patógenos, incluindo SARS-CoV-2”, disse Tex Kissoon, presidente da GSA. “Esta pandemia nos mostrou a eficácia da cooperação internacional, e também entre os profissionais de saúde, e os responsáveis pelas resoluções relacionadas às questões políticas. Devemos manter o foco nas medidas de prevenção de infecções e usar as plataformas de testes bem-sucedidas estabelecidas durante a pandemia para apoiar a pesquisa sobre sepse. Acima de tudo, os governos devem integrar a sepse nos sistemas nacionais de saúde, conforme preconizado pela resolução da WHA de 2017”, conclui Kissoon. Greg S. Martin, presidente da SCCM, também enfatiza a importância de entender a COVID-19 grave como sepse viral: “Mesmo antes da COVID-19, o impacto global da sepse era surpreendente e amplamente subestimado. Com 150 milhões de casos de COVID-19 levando a quase 50 milhões de mortes em menos de 18 meses, é mais importante do que nunca reconhecer que COVID-19 pode se manifestar como sepse.”

As diretrizes de gestão para COVID-19 foram desenvolvidas diretamente pelo painel Surviving Sepsis Campaign Coronavirus Disease 2019, a partir de diretrizes de sepse semelhantes4. Em relação a isso, Martin lembra que “assim como acontece com a sepse, um elemento chave para o tratamento eficaz de pacientes com COVID-19 é reconhecer a infecção incitante e a conseqüente resposta imune, a fim de tratar a disfunção orgânica potencialmente letal que acompanha a COVID-19 e é a marca registrada da sepse. ” As três organizações também alertam que os pacientes que sobrevivem a outras formas de sepse sofrem efeitos adversos de longo prazo semelhantes aos de pacientes com “COVID longo”, embora não sejam igualmente reconhecidos. A literatura científica demonstra que os efeitos de longo prazo da sepse, conhecidos como síndrome pós-sepse, ocorrem em até 50% dos sobreviventes da sepse, que sofrem de sequelas físicas, cognitivas e psicológicas persistentes. “A COVID-19 vai acabar em algum momento, mas as equipes da UTI continuarão cuidando dos pacientes com sepse. Precisamos conscientizar a comunidade sobre a sepse ”, afirma Maurizio Cecconi, presidente da ESICM, que acrescenta:“ Assim como acontece com os pacientes com COVID longo, os pacientes que sobrevivem à sepse têm uma longa jornada pela frente. Oferecer o melhor atendimento possível aos pacientes com sepse significa também cuidar dos sobreviventes da sepse e de suas famílias em sua jornada para retomar a vida. “

FATOS DA SEPSIS

50 milhões de casos por ano - 40% são crianças menores de 5 anos - 11 milhões de mortes - carga concentrada em países de baixa e média renda - principal causa de morte em países de alta renda5 - 3,4 milhões de casos na Europa, 680.000 mortes por ano6 (por exemplo,> 100.000 na França7, 98.000 na Alemanha8 ) $ 62 bilhões: custo médio anual para tratamento de sepse nos EUA

> € 9 bilhões: custo médio anual para tratamento de sepse na Alemanha (3% do orçamento de saúde) 7

> € 15.000: custo médio do tratamento para um único paciente na Alemanha9

> € 16.000: custo médio do tratamento para um único paciente na França6

1 https://apps.who.int/gb/ebwha/pdf_files/WHA70/A70_13-en.pdf.
2 https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00134-021-06409-y
3 COVID-19 como causa de sepse viral: uma revisão sistemática e meta-análise, Eleni Karakike, Evangelos J. Giamarellos-Bourboulis, Miltiades Kyprianou, Carolin Fleischmann-Struzek, Mathias W. Pletz, Mihai G. Netea, Konrad Reinhart, Evdoxia Kyriazopoulou medRxiv 2020.12.02.20242354; doi: https://doi.org/10.1101/2020.12.02.20242354; in press on Critical Care Medicine.
4 https://www.sccm.org/SurvivingSepsisCampaign/Guidelines/COVID-19
5 Rudd, K.E., Incidência e mortalidade de sepse global, regional e nacional, 1990-2017: análise para o Global Burden of Disease Study. The Lancet (edição britânica), 2020. 395 (10219): p. 200 - EOA.
6 Estrapolação de Mellhammar L, Wullt S, Lindberg Å, Lanbeck P, Christensson B, Linder A. Sepsis Incidence: A Population-Based Study. Open Forum Infect Dis. 2016; 3 (4): ofw207. Publicado em 8 de dezembro de 2016. doi: 10.1093 / ofid / ofw207.
7 Dupuis, C., Bouadma, L., Ruckly, S. et al. Sepse e choque séptico na França: incidências, resultados e custos do atendimento. Ann. Intensive Care 10, 145 (2020). https://doi.org/10.1186/s13613-020-00760-x
8 Fleischmann, C., Hartmann, M., Hartog, C. et al. Epidemiologia da sepse na Alemanha: incidência, mortalidade e custos associados de cuidados 2007-2013. ICMx 3, A50 (2015). https://doi.org/10.1186/2197-425X 3-S1-A50
9 Estudo, atualmente, em revisão.

  • Associados: (11) 96663-9614
  • Cursos: (11) 99168-4391
55 11 5089-2642
Rua Arminda, 93, sétimo andar – Vila Olímpia São Paulo, SP CEP: 04545-100