Publicada em 10/06/2015 às 10h50

AMIB apresenta a Campanha Prevenção da Infecção na UTI no Congresso da SOTIERJ

Na próxima quinta-feira (11.6), o presidente da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), Dr. Fernando Suparregui Dias (RS), participará do XVIII Congresso de Terapia Intensiva do Estado do Rio de Janeiro, que acontece até sábado (13.6). Uma das missões do presidente da Associação é apresentar aos participantes do evento a Campanha Nacional “Prevenção da Infecção na UTI”. Ao seu lado estará também o médico intensivista Dr. Thiago Lisboa, o coordenador geral da Campanha.

“Os índices de infecção nos hospitais brasileiros são preocupantes e esse quadro se agrava quando os pacientes estão internados nas unidades de terapia intensiva. Os dados nacionais indicam que cerca de 60% dos pacientes em ambiente de cuidados intensivos têm infecção e que 70% recebem tratamento com antibióticos em algum momento de sua permanência, sendo que a mortalidade global dos pacientes que desenvolvem infecções nas UTIs brasileiras é de 40%”, disse Dr. Fernando Dias, presidente da AMIB.

O coordenador da Campanha, o médico intensivista Dr. Thiago Lisboa, explica que a mortalidade associada à infecção no ambiente de cuidados intensivos é bastante variável, mudando de acordo com o tipo de UTI (geral, cirúrgica, de trauma, por exemplo), tipo de hospital (terciário, universitário e de baixa ou alta complexidade) e diferentes regiões do Brasil. "Porém, o que se deve verificar nos diferentes cenários é um risco maior em pacientes que desenvolvem infecções adquiridas nos hospitais ou em UTIs, em comparação aos pacientes sem essa complicação. O impacto desse aumento pode ser na ordem de duas ou três vezes mais”, completa.

No ambiente de cuidados intensivos, apesar de poder haver variação entre os diferentes centros, a preocupação maior está nas bactérias Gram-Negativas, que correspondem, nos estudos já publicados, pelo menos 50% dos episódios de infecções adquiridas nas UTIs, principalmente aquelas que expressam mecanismos de resistência aos antibióticos disponíveis.

Conceito da Campanha - Muitos são os fatores que contribuem para o desenvolvimento de infecções. A AMIB elencou sete pontos importantes que devem ser observados em seu combate: Higienização das Mãos; o Uso Racional de Antimicrobianos; o Uso Adequado das Precauções de Contato;  o Rastreio e Medidas de Isolamento dos Casos;  a Vigilância Epidemiológica; a Limpeza Adequada do Ambiente; e a  Educação Continuada dos Profissionais de Saúde.

Como será a Campanha - Para sustentar as ações de conscientização, a AMIB desenvolveu alguns materiais. Serão três cartilhas distribuídas em todas as UTIs do Brasil: do Médico, que trará o conteúdo técnico da abordagem dos 7 Pontos Chaves da Prevenção da Infecção; do Profissional de UTI – Equipe Multidisciplinar, que apresentará como aplicar os 7 Pontos Chaves; do Familiar, que também terá a abordagem técnica, porém enfatizando a importância da higienização das mãos e outras formas de prevenir a infecção na visita ao familiar internado.

Foram programadas quatro “Blitz”. A primeira delas aconteceu no dia 5 de maio, com foco no Dia Internacional da Higienização das Mãos. Em 13 de setembro, as ações serão voltadas para o Dia Mundial da Sepse; 15 de outubro, o Dia Mundial da Lavagem das Mãos; e 10 de novembro, quando se comemora o Dia do Intensivista. Esse ano AMIB também promoverá a UTI Cênica Itinerante. Uma carreta adaptada para a montagem da UTI passará por sete cidades. Outra importante ação prevista para ocorrer durante a Campanha, que vai até novembro de 2015, é a realização do estudo “Prevalência da Resistência Bacteriana em UTIs do Brasil”, que traçará o mapeamento das infecções.

 

Comentários

+55 11 5089-2642

AMIB 2012 Todos os direitos reservados

Convergence Works